Investimentos em infraestrutura urbana devem acontecer em 2020

Investimentos em infraestrutura urbana devem acontecer em 2020

Evento está apresentando as principais tecnologias, equipamentos, produtos e serviços para estradas e vias brasileiras

Apesar dos ambiente morno atualmente, há expectativas para a retomada dos investimentos em infraestrutura urbana viária, que refletem na construção de pontes e viadutos. “Estamos percebendo o aumento de consultas e interesse de profissionais e empresas em se atualizar com respeito a tecnologias disponíveis. Nós acreditamos que em cerca de um ano novos investimentos ocorram nesse setor de pontes e viadutos em virtude  de projetos que foram paralisados e devem ser retomados”, destacou  João Carlos Fonseca Junior, gerente técnico da Ulma Construction, durante o seminário Pontes e Viadutos realizado na Paving Expo & Conference. 

Segundo ele, o mercado demanda sistemas e tecnologias que permitam a redução de tempo de execução sem riscos para a segurança, como os sistemas em balanço sucessivo e o Brasil dispõe das mesmas tecnologias e sistemas presentes nos países desenvolvidos para atender à demanda do mercado.


Para o palestrante Vitor Minassa, engenheiro de suporte técnico da Dywidag Systems International (DSI), há uma percepção de recuperação dos investimentos em infraestrutura urbana, que reflete na construção das obras de arte. “Os investimentos virão e os projetos são de grande porte”, sinalizou. “Por isso fundamental ao mercado aprofundar-se na opção de sistemas construtivos, como os de balanço sucesso com emprego de pré-moldados, que oferece uma ótima relação de custo-benefício e prazos”, finalizou.

Nova norma para pavimento asfáltico exige investimentos das empresas


No campo das obras rodoviárias, as mudanças tecnológicas já chegaram e podem pegar muitos empreiteiros no contrapé.  A recente mudança na norma de dimensionamento do pavimento asfáltico por parte do Departamento Nacional de Infraestrutura  dos Transportes (DNIT) exigirá das empresas investimentos em equipamentos, ensaios de materiais e qualificação dos profissionais. Esta foi a mensagem de Agnaldo Sergio Banin Agostinho, membro do comitê Técnico de Pavimentação da Abeda (Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos), durante o seminário Obras de Rodovias, realizado na Paving Expo & Conference. 

Segundo ele, a mudança deverá contribuir para a melhoria da qualidade e da durabilidade do asfalto, mas causa impacto em toda a cadeia, que precisará empreender esforços e recursos a fim de atender as novas exigências.


Segundo Patricia Herrera, gerente geral da subsidiária Moba do Brasil, o não investimento em tecnologia  gera um custo oculto em forma de retrabalho e desperdícios e o mercado brasileiro preciso mudar urgentemente sob pena de perder mercado ou até mesmo risco de sobrevivência. “Outras empresas de fora estão chegando e introduzindo essas tecnologias”. Herrera destacou que é comum às construtoras brasileiras não terem uma estratégia definida de assimilação da tecnologia.

Experiente no assunto, com diversos cases de implantação tecnológica em seu currículo, Herrera recomenda a criação de um plano para guiar o processo de transformação da empresa por  etapas, a partir dos sistemas mais simples e funcionais,  a fim de reduzir resistências ao longo do tempo reduzido as dificuldades comuns que surgem nos processos de mudanças. 


Ronaldo Bitello, consultor técnico em tecnologia, abordou o tema Inovação  em eliminação de fissuras e reforço de pavimentos e alto desempenho, demonstrando as novas possibilidades tecnológicas que podem ser empregadas nesta área.

Construção brasileira dá ponta pé rumo à transformação digital


A digitalização pode ser empregada em todos os processos dentro do ciclo completo da engenharia especificamente nos setores de rodovias, ferrovias e obras diversas. Essa transformação digital ainda é lenta no Brasil, mas o cenário começa a mudar motivado pelos órgãos públicos, como o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), que estão implantando sistema como Building Information Modeling (BIM), dentre outros recursos que resultarão em maior controle, eficácia e produtividade dos processos construtivos. É o que destaca Liberdade Izaguirre, especialista em Processos na Cadeia da Construção e palestrante pela Bentley no seminário Transforformação Digital, realizado no último dia da Paving Expo & Conference. 

“Hoje a tecnologia já permite utilizar sistemas no circuito completo da construção, mas isso depende de uma decisão estratégica do construtor ao buscar maior eficiência dos processos. E o próprio contratante, como os órgãos de governo, tendem a estimular essa mudança de visão do mercado ao implantar essas mudanças em sua estrutura interna”, disse.


O evento reuniu um time de experts da Bentley no assunto:  Andres Fatoreto, executivo  vendas; Leonardo Tavares, executivo de negócios, Marina Trevizolli, representante de vendas de produtos geotécnicos da Bentley Systems para a Latam, e Otavio Gonçalves, especialista em produtos civis para a construção.

Engenharia em nova linguagem para os profissionais que chegam ao mercado


Em meio a um cenário de grande competição e de redução dos empregos, os jovens que entram no mercado de trabalho devem combinar  um tripé de esforço, vocação e qualificação, a fim de superar os desafios e se destacar como um profissional de alta performance. Esta foi a conclusão do seminário Como se tornar um profissional de alta performance, que reuniu na Paving Expo & Conference três histórias diferentes de engenheiros, arquitetos e empreendedores: Fabricio Rossi da Cruz, engenheiro civil que criou o site de conteúdo Pedreirão; Jefferson Inoue, gerente de engenharia da JLB Grupo e fundador dá página de instagram@Infraurbana; e Rodrigo Nunes, engenheiro e fundador do perfil Engenharia & Coaching.


Inoue destacou à jovem plateia o campo de oportunidades no Brasil em função do déficit de infraestrutura urbana, recomendando a atenção para qualificação, inovação e visão empreendedora. Nunes ressaltou a necessidade de se preparar para enfrentar as dificuldades, seja como profissional ou como empreendedor, o que requer resilência, foco e determinação. E Cruz abordou a mudança do mercado, com a chegada de profissionais que buscam conhecimento mas dentro de um uma linguagem mais direta. “É preciso desmitificar a Engenharia para esse novo profissional que está chegando no mercado. Por isso estamos levando esse seminário para outras praças com um formato de  imersão de dois dias reforçando que a qualificação e o treinamento é o ponto X para um profissional de alta performance”, completou.

A Paving Expo conta com a participação de mais de 100 expositores nacionais e internacionais. O evento inovador apresenta uma série de atrações. A Paving Conferece conta com uma programação extensa, formada por workshops e seminários, promovidos por instituições governamentais e setoriais e empresas do segmento. Já o Parque de Equipamentos conta com 5 mil metros de um showroom com equipamentos dos principais fabricantes e distribuidores do setor, incluindo a Elgimaq, Veneza/John Deere, Lafaete, New Holland Construction, Romanelli, Sotreq/Caterpillar, Wirtgen Group, entre outros. 

A Paving Live, com o apoio da Peri do Brasil, tem uma programação dinâmica, onde os influenciadores digitais apresentam diariamente notícias e novidades evento e debatem conteúdos com convidados. A Ilha das Startups reúne startups do setor da construção civil com inovações tecnológicas, serviços e soluções para os visitantes. Por fim, o Banco de Talentos é uma iniciativa na área de recursos humanos para fomentar o contato entre profissionais e empresas com a captação de currículos de visitantes.

Os comentários estão encerrados.